Restauro do Pórtico do Instituto Federal de Goiás, 2020

A história do edifício da antiga Escola Técnica de Goiânia, atual Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG), funde-se com a história da construção da capital. A edificação foi entregue em julho de 1942, juntamente à realização da Exposição Cultural Econômica da Capital, evento que marcou culturalmente a inauguração de Goiânia, fundada 1933. Esse acontecimento foi denominado Batismo Cultural de Goiânia. Na ocasião foi realizada uma grande exposição no pátio desse edifício. Marcava a entrada da exposição um pórtico, ainda existente no local e objeto desta exibição.

A edificação foi especialmente edificada para essa exposição, em estilo feérico Art Déco, ostentando técnicas construtivas que eram novidade no início do século XX, como a laje de concreto armado em balanço, emoldurando dois altos pilares com detalhes geométricos em sua base. 

Ao término da exposição, o local foi incorporado ao edifício da então Escola Técnica Federal de Goiás. Em 2003 todo o conjunto foi declarado patrimônio arquitetônico e urbanístico Art Déco de Goiânia pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, ao lado de outros 21 monumentos da cidade.

Foi desenvolvido o projeto de recuperação estrutural da laje de forma a retomar sua capacidade de sustentação do peso próprio e reversão da flecha encontrada. Esse processo foi definido a partir da avaliação técnica do engo. Argemiro Mendonça e do prof. dr. Oswaldo Cascudo e sua equipe, da Escola de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade Federal de Goiás.

Os demais elementos em alvenaria foram restaurados com os procedimentos de exame de percussão para detectar todas as áreas de revestimento solto e remoção de revestimento comprometido (decapagem). A recomposição da camada de revestimento com argamassa compatível com a original e repintura foram as etapas seguintes. As cores foram definidas a partir de prospecção cromática e testes com amostras de tinta. 

Uma árvore de grande porte próxima foi removida, por conta de infestação por insetos, assim como a grade frontal, substituída por uma nova, mais esbelta. Isso visa garantir o controle do acesso de pessoas e melhorar a visibilidade do bem edificado.

O pavimento de concreto desempenado foi substituído pelo mesmo tipo de piso intertravado existente na calçada, criando, assim, continuidade visual do piso. Esta alteração foi feita até o limite interno dos pilares do pórtico além da revisão da inclinação, de modo que fosse facilitado o acesso dos portadores de necessidades especiais. Uma grelha metálica foi implantada após a entrada do pórtico para coletar água da chuva.

 

Mecanismo

Fundo de Arte e Cultura – edital de estímulo ao restauro/2017